Adubação verde

Adubação verde


  • 22/11/2019

A atual conjuntura geopolítica tem sido pautada por questões de cunho ambiental, especialmente pelo discurso do aquecimento global e da escassez dos recursos naturais com destaque para crise e seus efeitos sobre o mundo globalizado.

Vivenciando a contemporaneidade e o contexto a que esse cenário nos remete, a atividade agrícola sente-se pressionada a direcionar suas técnicas de produção com o uso responsável do solo, da água, e dos demais recursos naturais. Isso tudo aliado as tecnologias que contribuem para a reciclagem da matéria orgânica como base para a manutenção da fertilidade do solo, e para a nutrição das plantas com a manutenção da atividade biológica do solo, o equilíbrio de nutrientes e a qualidade da água.

 

Entre as diferentes metodologias aplicáveis nas lavouras, a adubação verde tem se tornado referência. Essa prática se utiliza de plantas como meio de melhorar a qualidade física, química e biológica do solo, por sua capacidade de contribuir com o fornecimento de nutrientes e pelos diversos benefícios que pode trazer ao sistema agrícola.

 

A versatilidade deste tipo de adubação permite implementar a prática em quase todos os sistemas de produção agrícola, seja em rotação, sucessão ou em consórcio de culturas.

 

As leguminosas vêm recebendo grande adesão por parte dos agricultores que fazem uso da adubação verde: crotalária, feijão-guandu, nabo forrageiro, mucuna, lab lab, entre outros. Nas raízes dessas plantas existem nódulos onde ficam as bactérias fixadoras de nitrogênio no solo por meio da simbiose produzida por microrganismos capazes de captar o nitrogênio da atmosfera e fixá-lo, transferindo assim para as plantas. Quando misturadas ao solo ou utilizadas como cobertura, o nitrogênio é incorporado ao solo reduzindo dessa forma, a aplicação de adubos nitrogenados. Além disso, a alta produção de biomassa é outra característica que merece destaque, porém, vai depender de fatores como: escolha da espécie, manejo da biomassa, época de plantio, tempo de permanência de resíduos no solo e condições locais.

 

É relevante advertir que o nitrogênio atua no desenvolvimento celular, sendo um dos maiores responsáveis pelo crescimento das plantas.

 

A disponibilidade deste nutriente no solo é fundamental para o sucesso de qualquer cultura agrícola. Sua presença também representa maior retenção de água no solo, aumento do teor de matéria orgânica com menor necessidade de adubação química, reduzindo o custo de implantação e manutenção da cultura sucessora, alem da praticidade e do retorno financeiro.

 

A adubação verde é avaliada como uma das melhores medidas para o controle integrado de pragas e doenças, pois diminui o contato entre os propágulos de patógenos e plantas hospedeiras, já que normalmente, os agentes são encontrados nos restos de solo. O plantio de uma nova cultura, não hospedeira, faz com que os patógenos gradativamente se enfraqueçam, diminuindo as chances de inoculação.

 

Os benefícios da adubação verde são muitos, sendo um dos pilares do plantio direto e da sustentabilidade agrícola, porem o resultado é alcançado a longo prazo e deve ser implantado corretamente.