Doenças comuns que podem atingir a soja

Doenças comuns que podem atingir a soja


  • 29/08/2018

Os produtores da soja têm se mostrado satisfeitos com as boas colheitas realizadas nos últimos tempos.

Porém, o medo com as doenças e pragas que atacam a semente é constante fazendo com que a grande maioria dos sojicultores respeitem algumas regras de plantio.

Essas regras foram oficializadas por normativas estaduais, que estabeleceram uma data limite para semeadura e determinam o chamado vazio sanitário da soja, visando prevenir a presença da doença conhecida como ferrugem asiática que afeta a folha e consequentemente os grãos e também a infestação de percevejos, principal praga que pode causar grande prejuízo na produtividade.

O primeiro ponto a ser avaliado pelo agricultor é a realização do monitoramento das lavouras verificando se há foco dessas pragas no solo ou nos restos de palha pelo chão, vistoriando assim toda a área a ser plantada. Comprovada a existência de algum foco contaminado, é possível definir o melhor método de controle dessa peste. O objetivo é diminuir as aplicações de fungicidas durante as safras e amortizar a resistência do fungo ao veneno.

Quando o produtor mantém a propriedade sem semeadura e sem as chamadas plantas vivas, que nascem voluntariamente no solo, o fungo que causa a ferrugem asiática não se desenvolve, já que ele precisa de hospedeiro vivo para crescer e se multiplicar.  Esta é uma das doenças que mais preocupa os produtores de soja, uma vez que causa o desfolhe precoce e impede a formação dos grãos chegando a uma perda de ate 70% da produtividade. Esse fungo se dissemina facilmente pelo vento levando a doença para praticamente todas as regiões.


Existem mais de 15 tipos de pragas que aterrorizam os sojicultores. Dentre elas, como já mencionado, é o percevejo-marrom, que se prolifera com maior abundancia e requer maior atenção. Ele atinge os grãos e vagens causando perda de rendimento e menor qualidade da semente.


Em seguida vem à lagarta medideira, que ataca as folhas perfurando e deixando somente a nervura central. É difícil de ser eliminada.


A lagarta da soja vem em terceiro lugar. É considerada uma devoradora voraz das folhas perfurando-as e diminuindo a produtividade.


Em quarto lugar temos a mosca branca que libera uma substancia que forma um fungo e apodrece as folhas.


O percevejo castanho da raiz ganha a quinta colocação. Se esta praga atacar na fase inicial pode matar a planta, pois suga as raízes, afetando o rendimento.


A praga mais comum é o percevejo barriga verde. Este ataca o grão e a vagem danificando e reduzindo o rendimento e a qualidade.


Corós
é o nome da praga que vem em sétimo lugar. Ataca as raízes e deixa as folhas amarelas e murchas.


A lagarta helicoverpa se alimenta de quase todas as partes da planta: brotos, cotilédones, folhas, grãos e vagens.

A maior das lagartas é a lagarta das vagens, medindo cerca de 35 a 50 milímetros. Também ataca as folhas e vagens, danificando e reduzindo a produtividade.


Em compensação os ácaros são os de menor tamanho medindo em torno de 0,14 a 0,50 milímetros. Esta ataca as folhas prejudicando a fotossíntese e o desenvolvimento das folhas.


Esse levantamento foi realizado pela Embrapa Soja que no Brasil presta uma consultoria avançada ao produtor brasileiro, dando acesso a novas dicas e técnicas para obter maior produtividade.

Fique por dentro das novidades sobre agricultura, siga nosso Facebook e Instagram.