Manutenção adequada em tanques aumenta vida útil de equipamentos.

Manutenção adequada em tanques aumenta vida útil de equipamentos.



Cuidados garantem vida longa aos equipamentos usados no manejo de peixes, confira mais sobre a matéria publicada em "O Presente Rural" feita com o Engenheiro de controle e automação da Trevisan, Marcelo Stefanello Trevisan.

  O cuidado que o piscicultor dedica aos equipamentos que utiliza no dia a dia pode garantir uma durabilidade longa e vida útil indeterminada.

  São detalhes que precisam de atenção no dia a dia, destaca o engenheiro de Controle e Automação Marcelo Stefanello Trevisan, da Trevisan, de Palotina (PR). Mais que isso, ele garante aos produtores que equipamentos que passam pelas revisões e manutenção adequadas têm maior eficiência na finalidade para a qual foi implantado.

  Entre os principais cuidados de manutenção citados por Trevisan estão os necessários com o aerador de pá. Ele orienta para trocar o óleo do equipamento pelo menos a cada 100 horas ou três meses de trabalho. Mais ainda, após um ano de funcionamento, no máximo dois, a cada colheita de peixe, ou a cada seis meses, o piscicultor deve trocar o óleo do redutor. Trevisan aconselha, ainda, a sempre verificar as pás, se estão inteiras. Se vier acontecer de quebrar uma pá, é necessário trocá-la imediatamente. A falta de uma delas provoca o desbalanceamento do eixo e isto pode acarretar a quebra de outras pás. O engenheiro explica que, se o equipamento trabalhar  com uma pá a menos, a eficiência pode ser prejudicada. “O aerador foi concebido para trabalhar com todas as pás, se faltar uma delas, a eficiência reduz e a oxigenação da água vai ficar prejudicada. Ou seja, se persistir esse quadro, os peixes podem ser afetados”, alerta.

  Devido a alta qualidade dos materiais com os quais são fabricadas, as pás não têm uma vida útil exata. “O produtor deve sempre avaliar seu equipamento, para trocar quando há avarias ou não esteja funcionando corretamente. Se forem feitas as manutenções corretas, a duração ultrapassa uma década”, destaca, lembrando que os materiais plásticos dos aeradores têm proteção ultravioleta
contra o sol.

DETALHES
  
   Outros fatores exigem a atenção do piscicultor. Também é preciso verificar rotineiramente a bucha de borracha. Se estiver muito gasta, chegando no mancal, é preciso trocá-la. Marcelo Trevisan comenta que um pouco de folga é até aceitável, “mas apenas um pouco”, reforça. De acordo com o técnico da Trevisan, é ideal que a cada troca de óleo seja feita uma limpeza mais criteriosa do aerador, analisando boias, pás, se não há nada enroscado no eixo e no redutor. Segundo ele, se o equipamento for mantido limpo, vai garantir melhor desempenho.

  Gostou da dica? Em nosso próximo post vamos trazer mais sobre os cuidados com os tratadores de peixes. Siga nossa página no Facebook e fique por dentro das melhores dicas para sua produção de aquicultura.