O que acontece depois da despesca?

O que acontece depois da despesca?


  • 17/10/2018

Primeiramente desejamos que a sua despesca tenha sido a melhor possível! Bom peso final dos peixes, boa conversão alimentar e claro, boa sobrevivência.

E para que você inicie o próximo ciclo com o pé direito, deixamos algumas dicas sobre a manutenção e preparo do viveiro antes do cultivo. Confira:  

Após a despesca, com o viveiro já vazio é importante checar o estado dos monges, taludes e comporta (se houver). Essa estrutura é fundamental para mais um ciclo tranquilo.  

O viveiro deve ser esvaziado totalmente, deixando o solo exposto ao sol, uma vez que este é um ótimo aliado para a desinfecção. Contudo, atenção, pois não é preciso deixar o solo secando até rachar. Esse processo irá matar os micro-organismos benéficos que se estabeleceram durante o cultivo e que são responsáveis pela degradação da matéria orgânica, por exemplo.  

O próximo passo é fazer a desinfecção com cal hidratada ou cal virgem. Essa etapa é importante, pois irá eliminar ovos de peixes, pequenos crustáceos e outros potenciais predadores dos alevinos que serão povoados, e ainda eliminar possíveis vetores de doenças. O guia para Preparação de Viveiros da Embrapa, recomenda usar 200 kg do produto para cada 1.000m² de solo do viveiro. Deve-se espalhar em todo o viveiro. Ao fazer a aplicação, em particular com cal virgem, é necessário o uso de equipamentos de proteção como óculos, máscara, botas e roupa adequada, uma vez que trata-se de um produto corrosivo. Deixar o produto agindo por 2 ou 3 dias antes de abastecer o viveiro para maior eficácia do mesmo.  

Após a desinfecção a calagem é recomendada, especialmente se o pH do solo estiver abaixo de 6,5 e a alcalinidade inferior a 20 mg/L de CaCO3. Essa correção do solo através da calagem irá proporcionar maior estabilidade dos parâmetros químicos da água, favorecendo o ambiente para os peixes que serão estocados e também para a comunidade fitoplanctônica e microbiológica que auxiliam na manutenção da qualidade da água. Nesse caso a dosagem não é fixa, pois vai depender do valor do pH encontrado. Quanto mais fino for o calcário, melhor e mais rápido o mesmo passa a surtir efeito.
 

Outro passo importante é a adubação. Esse processo é fundamental para favorecer o crescimento da comunidade fitoplanctônica, que conforme já comentado auxilia na manutenção da qualidade de água e além disso, serve de alimento para os animais de cultivo e propicia o crescimento de zooplancton, que também é uma rica fonte complementar de alimento para os peixes. As carpas e tilápias por exemplo, conseguem se beneficiar com êxito desse alimento. A adubação pode ser com farelo de arroz, esterco de animais (aves ou suínos), ureia ou superfosfato. Os resultados da adubação se dão dentro de 3 a 5 dias com períodos de sol. Caso esteja nublado, considere um pouco mais.  

Antes de iniciar um novo ciclo é aconselhável realizar uma manutenção nos aeradores, checando as condições do mesmo. Aqui no blog da Trevisan já falamos sobre alguns cuidados que se deve ter com esses equipamentos, clique aqui para ler a matéria completa.
 

No período que antecede o povoamento, realize uma análise da água do seu viveiro, avaliando parâmetros físicos e químicos. Estes lhe darão maior segurança antes de colocar os animais no tanque.  

Um bom reinício de ciclo!