Vale a pena investir em piscicultura?

Vale a pena investir em piscicultura?


  • 20/11/2017

A piscicultura vem deixando a sua marca na economia do país.

Durante a Expo Japão 2017, foi realizado o evento Simpósio de Tecnologias Inovadoras para a Agricultura, que levou especialistas para debater sobre o assunto. E o Paraná continua sendo um dos principais produtores do Brasil, ocupando, portanto, uma posição de destaque na aquicultura mundial.

De acordo com uma pesquisa divulgada durante o encontro, em 2015 foram cultivados mais de 80 mil toneladas de peixes em todo o país, e desse total, o estado foi responsável por 15% da produção. Sendo que a base desse mercado no Brasil é o pesque-pague.

No entanto, também existe um movimento voltado para a produção de frigoríficos. O primeiro passo para que o investidor tenha retorno do seu investimento é priorizar a legalização do seu negócio. Isso acaba influenciando diretamente na sua renda.  

O retorno da piscicultura

O setor de piscicultura costuma ter um bom retorno para quem decide investir na aquicultura, e as estatísticas estão aí para provar. Segundo o Anuário Estatístico da Associação Brasileira de Piscicultura (Peixe BR), em 2016, o setor foi o responsável por movimentar R$ 4,3 bilhões.

E ainda gerou mais de um milhão de postos de trabalho, direta e indiretamente. Um dos desafios principais dos piscicultores é transformar essa atividade em sustentável, mas aos poucos, algumas práticas estão começando a serem adotadas nesse sentido.

O lucro do piscicultor pode variar, de acordo com o peixe criado. Levando em consideração um levantamento feito pelo Ministério da Pesca e da Aquicultura, em média é possível gerar um lucro de R$ 1,00 por quilo, em média, portanto, de acordo com a quantidade de peixes cultivados é possível fechar essa conta. As parcerias também são essenciais para o sucesso no negócio de piscicultura.

Na maioria das vezes, o frigorífico acaba fornecendo alguns materiais para o piscicultor, como ração, assistência técnica e também alevinos. No entanto, essa não é uma obrigação, cada contrato pode ter especificações próprias. Grande parte da produção do Paraná é de Tilápia, e levando em consideração esse peixe, especialistas que cada quilo pode ser comercializado por R$ 4,30.  

Investimento mínimo para entrar na piscicultura

Para conseguir ter um retorno satisfatório é muito importante que o piscicultor saiba qual investimento deverá ser feito. O primeiro é saber da necessidade de comprar os alevinos. Aqueles considerados de boa qualidade são comercializados em média por R$ 150 o milheiro.

O local também precisa ser apropriado para a criação. Cada tanque a ser utilizado custa em média R$ 1,5 mil, podendo ser colocado no seu interior dois mil alevinos.

Ao crescerem, é necessário separá-los, e colocar em tanques específicos. Geralmente são separados em lotes de mil. No final, o rendimento em cada tanque será de aproximadamente 900 quilos.

Nesse processo entram questões como alimentação, e também a adequação da temperatura da água para cada caso. Durante o verão, esses peixes acabam tendo o metabolismo acelerado, e durante o inverno o apetite diminui.

Cuidar desses detalhes é o que vai fazer com que a renda do piscicultor seja satisfatória.